domingo, 11 de dezembro de 2011

Gazeta nº 13


A Gazeta da Casa

Ano IV - Dezembro de 2011 - O JORNAL DA OFICINA DE CONVERSAÇÃO - 13

Faça o seu comentário!



57 comentários:

  1. Teteias, Malucos, Simpáticos!!

    Vocês estão de absoluto parabéns pela qualidade dos textos e participação.

    Mariana, a diagramação ficou uma beleza!

    É um prazer e uma alegria trabalhar com vocês!
    Leiam e curtam os textos dos colegas!
    Um beijo bachiano com ritmo de choro, Glaucia.

    ResponderExcluir
  2. Begoña,

    adorei passear de bicicleta com você pelas ruas de Berlim, a capital verde da Europa (e talvez do mundo). Ora, qual é a relação entre Berlim e a cultura brasileira? A resposta está no livro de João Ubaldo Ribeiro, "Um brasileiro em Berlim": aconselho a (de)leitura.

    Ivan (simpático)

    ResponderExcluir
  3. Myriam López- Obrigada pela informação da casa do caminho, acho que é uma ideia muito legal alias de abrir oportunidades as crianças e os estudantes. Talvez eu possa ir para lá. ;-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com Begoña, Myriam, parabéns pelo artigo e obrigada pela informação.

      Excluir
    2. Paloma Ramos,02-fev,2012
      Parabéns Myriam!!
      Eu adorei o seu artigo e achei que além de facilitar a aprendizagem do português "A Casa do Caminho " com a iniciativa da Ong tiveram uma ótima ideia para ajudar com o seu dinheiro e as ganâncias ao abrigo de Xerém.
      Eu também concordo com a Bea e tomara que algum dia eu possa ir para a escola e ajudar deste jeito às crianças do Abrigo.
      Como a Myriam falou "O que você está esperando?"
      VAMOS LÁ!!!!

      Excluir
  4. Eu também adorei o artigo sobre Berlim, já tenho vontade de ir, de ficar e de morar.
    Obrigada pela coordenação, diagramação e revisão. Beijo carioca,

    ResponderExcluir
  5. Pessoal, parabéns pelo trabalho!
    Realmente foi uma delícia ler os artigos de vocês, aliás, foi uma "deleitura". Fiquei com vontade de "arrastar o pé", mas vou ter que me aguentar até as próximas edições, pois parece que todo esse ritmo e musicalidade vão durar o curso letivo inteiro, não é? Enfim, "som na caixa, maestro!".
    Para terminar, não poderia deixar de mencionar a doçura de artigo sobre a minha conterrânea Cora Coralina (fantástico, Raffaella, pura poesia). Um abração e até a próxima gazeta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Raffaella Bortolotto18 de janeiro de 2012 07:03

      Puxa, só agora é que estou vendo!

      Obrigada, minha professora de Goiânia preferida.

      Até a próxima, um beijão!

      Excluir
  6. Colegas, parabéns pela Gazeta! Parece difícil acreditar que em cada número se faz um trabalho melhor do que no anterior. A gazeta ficou uma delícia ;)

    Queria dar os parabéns a Marcos pelo seu artigo sobre o projeto Brincar-es. Acho muito interessante e importante a aproximação à cultura e língua brasileira que a AVA faz com as crianças de origem brasileira. Quem dera eu tivesse participado de um projeto assim na minha infância.

    A Gazeta também chegou a outros países. Meu primo desde o Rio de Janeiro dá os parabéns pelo trabalho feito e principalmente gostou do artigo sobre a escravidão de José Manuel Almendros. Foi uma surpresa para ele o artigo de Diana Holguera sobre a divisão de Pará.
    Uma colega brasileira que mora na Alemanha fica impressionada com o talento jornalístico do grupo. Ela sempre fala que escrevemos melhor que muitos dos seus alumnos de doutorado.

    Parabéns, galera! Obrigada pelo trabalho das nossas "editoras chefes", Glaucia e Mariana.

    Aquele abraço,
    Bea (Turma Simpática)

    ResponderExcluir
  7. Que difícil escolher um só artigo para comentar. Acho todos tão interessantes! Sempre estou esperando que chegue o próximo número para ver as novidades do trimestre.
    Parabéns a todos e principalmente às coordenadoras do projeto (Glaucia e Mariana) pelo resultado final.
    Eu me encarrego de que a Gazeta chegue ao outro lado do oceano deixando as pessoas surpresas pela qualidade dos artigos. Fico prosa de ver seus comentários.

    Continuem assim!
    Um beijo,
    Lola

    ResponderExcluir
  8. Galera, parabéns pela Gazeta! Achei muito interessante o artigo do início do futebol no Brasil. Nossa! Eu não sabia que os ingleses da clase média e alta foram os primeiros jogadores na área de São Paulo. Embora tivessem que expulsar os burros do campo eles jogabam com gravata. Incrível!
    Um abraço
    Ana Larraga

    ResponderExcluir
  9. Oi pessoal da Gazeta e leitores,

    a melhor coisa que acontece escrevendo na Gazeta é que os "gazeteros" jornalistas aprendemos não só com o artigo que escrevemos, mas também com os artigos dos outros jornalistas, jà que
    todo artigo é apresentado previamente na sala de aula da Oficina de Conversação da Casa do Brasil.

    Nesta edição adorei o artigo sobre música erudita e a biografia sobre Carlos Gomes que escreveu Iván Montebugnoli (alta qualidade!) e também a biografia sobre
    Gilberto Mendes escrita por Maria Desirée.

    Achei muito interessante as dicas de Myriam sobre como aprender português no Rio de Janeiro. Tenho certeza vão ser aproveitadas logo!.

    Finalmente gostei muito do artigo de Antonio com a justificação sobre a participação das empresas em atividades sociais, culturais ou
    meio-ambientais. Mesmo que não concorde (para mim as empresas só estão à procura de melhorar sua imagem, de ganhar novos clientes e de reduzir impostos), achei o artigo muito bem documentado.

    Parabens e vamos là pela próxima edição.

    Abraços
    Marcos (Maluco)

    ResponderExcluir
  10. Parabéns para todas as pessoas que fizeram e colaboraram na redação da GAZETA, os artigos são ótimos, sempre descubro algo novo, não sabia nada da corrupção no Brasil e depois de ler o artigo cheguei a conclução de que para combati-la é preciso trabalhar muito e mudar muitas coisas.
    Na minha opinão o primeiro a fazer é botar para fora os políticos corruptos e que as leis sejam mais severas para todo o mundo. O governo deveria ajudar a Polícia Federal a impedir que a corrupção avance no pais e não fazer o que faz agora, olhar para outro lado.
    Concordo com o artigo de que é necessario começar com a educação, gostei muito da frase de: “Incutir aos mais jovens a suprema vergonha de fazer uso privado dos bens coletivos, é muito boa já que isso não se faz e não esta certo.

    ResponderExcluir
  11. Eu gosto muito dos artigos da Gazeta, são muito interessantes e sempre falam de questões atuais. Parabéns para as pessoas que a fazem!
    Eu achei difícil escolher um artigo, há alguns muito bons, mas finalmente eu escolhi a saúde.
    O texto fala dos avanços cientistas sobre a saúde e a esperança de vida. É impressionante ver como, nos países desenvolvidos, a esperança de vida tem aumentado nas últimas décadas, graças aos avanços da medicina, e das ciências.
    A parte boa é que muitas doenças antigamente mortais agora podem ser curadas e mesmo, o envelhecimento está sendo retrasado muitos anos e ainda o será muito mais.
    Mas eu vejo dos problemas importantes para mim nestes avanços cientistas. Em primeiro lugar, eu acho que há muitas pessoas que ficam bitoladas por retrasar o envelhecimento do corpo e assim não aceitam o natural passo do tempo. Em segundo lugar, mas não menos importante, está o problema da superpopulação mundial, se finalmente conseguirmos o verdadeiro freio do envelhecimento.
    E, além disto, não devemos esquecer que todos estes avanços só afetam à população desenvolvida do planeta. Há uma maioria que ainda só esta preocupada por sobreviver até o dia seguinte y, sabendo disso, é difícil curtir realmente dos avanços que nós temos a nossa mão.

    ResponderExcluir
  12. Que legal, Mikhal! É uma ideia boa mesmo. Paris fica perto, dá para organizar um grupinho! Obrigada pela informação!

    Valeria Saccone Simpática

    ResponderExcluir
  13. Eu li o artigo Brasil & Espanha, escrito por Antonio Rodríguez. Interessantes os três exemplos que comenta...o texto leva a uma conclusão clara: a ação social é indispensável para qualquer empresa com vocação de serviço à comunidade. Na Europa e nos Estados Unidos, por exemplo, são setores bastante desenvolvidos. Todas as empresas que cotizam na Bolsa obrigatoriamente devem ter programas de ação social e destinam uma porcentagem fixa a estes projetos. Existem no Brasil quesitos para a ação social das empresas? Qual é o investimento das empresas neste setor? Com certeza é uma matéria ampla num país com enorme crescimento econômico. Deveria-se aprovietar este momento de prosperidade para potenciar as funções sociais das empresas e contribuir à diminuição das desigualdades num país com grandes contrastes
    Tristán (grupo da Mila)

    ResponderExcluir
  14. Myriam (Simpática), achei muito interessante o seu artigo já que, não só fala do interesse na língua portguesa pelos estrangeiros de férias no Rio de Janeiro, mas também o apresenta com uma perspectiva solidária.
    Muito boa recomendação linguística e solidária!

    ResponderExcluir
  15. Oi pessoal da Gazeta e leitores,

    Acho que a qualidade da Gazeta é cada vez melhor. Já se pode desfrutar da leitura de artigos sobre os mais variados temas. Nesta edição adorei o artigo da jornalista Begoña Navarro. Cada leitor desse artigo notará o grande profissionalismo da autora. Ela nos conta da cidade européia ecológica Berlim, das ciclovias, das arvores e de seus moradores que tem muita consciência ecológica. Berlim dispõe de uma muito alta porcentagem de zonas verdes e por isso eu viajo todos os verãos para Berlim. Então curtimos dos passeios de bicicleta no Mauerweg e pelos lagos.

    Achei muito interessante que a autora conta muitos detalhes da arquitetura sustentável. Suponho que antes de trabalhar como jornalista trabalhava como arquiteta.

    Mesmo que não concorde com todos os detalhes do artigo (por exemplo, o nome do prédio, onde se reúne o parlamento alemão se chama Bundestag e no Reichstag, pois a época Nazi já terminou), acho o artigo muito bem conseguido.

    Parabéns para Begoña.

    Matthias (aluno de Milla)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mat,

      A sua apresentação sobre Berlim foi fantástica! Não sabia que era tãaaaaaoooo grande e tãaaaaaoooo verde e que havia tantos quilômetros de ciclovia (deu até vontade de andar de bicicleta pelos inúmeros parques que você comentou, mas acho que vou precisar ficar em forma primeiro, para poder fazer os roteiros de 50Km ou 75km que você sugeriu...rsrrs).

      Parabéns à Begoña pelo excelente artigo e por ter nos inspirado a conhecer Berlim!

      Excluir
  16. A Gazeta tem muito artigos interesantes. Parabens para todos os que fizeram possivel a realizaçao deste numero. Não sabia que no Brasil o tema da criaçao de novos estados fosse tão atual. Acho muito bom que todos os paraenses puderam decidir sobre o futuro da propria terra. Quem dera fosse assim também na Europa. Parabens para Diana pela informaçao.

    Dedé

    ResponderExcluir
  17. Oi,gente!Parabéns a todos pelo ótimo trabalho! Eu gostei especialmente do artigo escrito por José Manuel Almendro, que fala sobre a escravidão no Brasil.
    É uma informação interessantíssima que deve ser divulgada para que todo o mundo conheça o que tristemente ainda acontece no Brasil na atualidade. Com certeza uma maior difusão do problema ajudará a resolvê-lo.

    Jorginho

    ResponderExcluir
  18. Oi, Andrea!

    Seu artigo é muito interessante. Assim que você termina de fazer a introdução sobre a vida das comunidades imigrantes no Brasil no século XIX, você conta com detalhes o começo do futebol no país.

    Também gostei das anedotas que você menciona. Por exemplo, achei muito engraçado que no Brasil fossem as elites que praticassem futebol, enquanto na Inglaterra foram as massas operárias.

    ResponderExcluir
  19. MAROTO!

    Talvez você não saiba, mas finalmente provei o seu de Arroz de Tamboril!

    Cecilia Carlino, aluna do Avançado, leu o seu artigo, provou a receita e trouxe para os colegas essa delícia... Não é fantástico?

    Assim, agradeço aos dois por terem nos alimentado tão bem!
    Um beijo saboroso!

    Glaucia

    ResponderExcluir
  20. Maroto:
    Eu tinha ouvido que VIPs era um bom filme mas, agora, depois de ler seu artigo eu fiquei com mais vontade de vê-lo que antes!!
    Eu gostei muito da apresentação que você fez do filme porque começou fazendo perguntas para que nos, os leitores, refletíssemos e soubéssemos que qualquer pessoa poderia ter problemas como os que Marcelo Nascimento tinha.
    Se você, o algum dos outros escritores da seção Vontade de pipoca, conhecer de algum link para ver filmes Brasileiros, divida conosco, os cinéfilos.
    Parabéns para todos os colegas que fizeram a Gazeta! Beleza!
    Carla

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeria! Você é minha inspiração! "Eros uma vez" devia ficar na capa, tem coisa mais importante na vida do que o sexo?

      Jornalistas, parabéns a todos!
      Fessoras! Obrigado pela paciência e pelas dicas!

      Carla: http://www.desdeunlugarmejor.com/ (tem monte de filmes)

      Excluir
  21. Valeria, adorei o teu artigo sobre o sexo tântrico. Acho que é um tema fascinante. Se todas as pessoas tivessem uma visão tântrica do sexo, o mundo seria muito mais bonito e pacífico. Vou recomendar um filme para que os teus leitores possam completar a tua informação com uma história muito legal sobre um garoto que é introduzido no sexo tântrico por uma mulher muito especial, uma pessoa muito bela por dentro e por fora. O filme se chama: “No mires para abajo”, e é do diretor argentino Eliseo Subiela. Parabéns, pela boa promoção do tântrico!
    Teresa Benítez

    ResponderExcluir
  22. Mirian & Maroto,

    Nossa! Que delícia o arroz de tamboril que a Cecilia, outra italiana que está aprendendo português na casa do Brasil, preparou seguindo as suas instruções! Obrigado a vocês pela receita e à Cecilia por ter posto mãos à obra e depois ter oferecido a iguaria à gente.

    Ivan (simpático)

    ResponderExcluir
  23. Raffa,

    foi um prazer ler o teu artigo sobre a culinária e a poesia. Obrigado por você nos aproximar da vida e da obra de Cora Coralina, uma mulher que demonstrou que, para ser bom poeta (assim como bom cozinheiro e bom presidente do Brasil), a capacidade de auscultar o coração humano e a vontade de ajudar os outros são mais importantes do que a cultura acadêmica.

    Ivan (simpático)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Raffaella Bortolotto18 de janeiro de 2012 06:56

      Nossa, Ivan, podes crer?! A gente estava escrevendo no mesmo momento!

      Obrigada a você pelo teu comentário, apreciei.

      Excluir
  24. Raffaella Bortolotto18 de janeiro de 2012 06:46

    CARLOS GOMES: O SELVAGEM DA ÓPERA
    Ivan Montebugnoli

    O teu artigo é mais do que uma biografia, meu querido conterrâneo, parabéns! Aliás, em só duas colunas você abraça as vidas de três grandes expoentes do Romantismo, no âmbito musical e literário.
    De Campinas a "Quel ramo del lago di Como" de Alessandro Manzoni; da partitura de "O Trovador" de Giuseppe Verdi embaixo do travesseiro à meca da ópera lírica italiana. A paixão pode levar a gente para bem longe, não é mesmo?
    O maior compositor de ópera brasileiro acusado de ter virado italiano, mas brasileiro e patriota até no testamento, olha só! É isso aí, Ivan: quanto Brasil e quanta Itália na mesma pessoa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Raffa, aqui vai a resposta e o agradecimento pelo teu comentário, pois "antes tarde do que nunca": si parva licet componere magnis, nós também somos como Carlos Gomes já que no nosso coração temos um pouco de Itália, um pouco de Brasil e também um pouco de Espanha. Também nesse caso tinha razão Manzoni: "così fatto è questo guazzabuglio del cuore umano" (Noivos, cap. X)

      Espero poder ler logo teu próximo artigo deleitável. Tchau,
      Ivan

      Excluir
  25. Holger, acho que você fez um bom trabalho com seu artigo, já que a corrupção é um grande problema não só no Brasil, mas também em quase todos os países do mundo.
    Embora a Espanha não seja um dos paises mais corruptos, a maioria dos espnhóis acham que todos, ou quase todos, os políticos são corruptos em maior ou menor medida. De fato, o problema está tão estendido que até um dos genros do rei Juan Carlos I está implicado num caso de desvio de recursos públicos.
    Ainda que a indiferença nacional não seja tão grande na Espanha, os corruptos não têm o castigo que mereceriam e é preciso, como no Brasil, uma reforma política e sobretudo uma reforma judiciária.
    Tomara que num futuro próximo todos os corruptos troquem as suas caras casas por lindas celas na cadeias espanholas!

    ResponderExcluir
  26. Grau, peço desculpas por comentar sobre o artigo de uma companheira simpática, mas adorei o seu conteúdo.
    Eva, achei ótimo o seu artigo sobre o antivelhecimento. Faz pensar a vessa.
    Uma das qüestões que vieram na minha cabeça é se é justo vivir cada vez mais, se temos em conta que isso pode ser ao custo de que nasça menos gente. Antigamente a mortalidade infantil era muito elevada, e as famílias compensavam-no tendo muitos filhos.
    Por outro lado, surgem as questões econômicas não só das transfêrencias aos aposentados que cada vez são mais e vivem mais tempo, mas com o custo sanitário. Assim o gasto médio estimado em 2025 para um espanhol de menos de 65 anos é de 2.195 euros por ano, para um de 65-79 anos de 8.570, para um de 80-94 14.966 e para os maiores de 95 de 28.479 euros (segundo os dados do livro "Nada es Gratis").
    Como podemos observar pode ser que as finangas públicas não posam suportar o maior custo do crescimento da esperança de vida.
    Eu concordo com a autora, de que está bem viver mais, sempre que posa-se viver com qualidade e uma saúde decente, se não, é melhor e mais justo deixar espaço para as novas gerações.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  27. Oi, Andrea, beleza?

    Ótimo artigo! Que interessante!

    Que curioso que fosse um esporte de ricos no Brasil quando era um esporte praticado pelas classes mais baixas na Europa... Não é?

    Também li que uns marinheiros ingleses poderiam ter sido os que jogaram o primeiro jogo de futebol no Brasil em 1874.

    Há muitas histórias sobre a origem do futebol brasileiro, há quem diz também que tudo começou no Rio de Janeiro, mas acho que a mais provável é a que você contou nesse excelente artigo sobre Charles Miller e Oscar Alfredo Cox.

    Seja quem for que tenha introduzido o futebol no Brasil, teve uma péssima ideia porque eles só ganharam de nós, os europeus, deitando e rolando no jogo... Kkkkkkk

    Abraço

    Louis

    ResponderExcluir
  28. Oi Louis,

    O Brasil è o pais que mais Copa do Mundo tem. Mesmo assim eles perderam as vezes:em 1982 contra a Italia, em 1998 e em 2006 contra a França. Entao temos esperança...rsrs...

    Um abraço
    Andrea

    ResponderExcluir
  29. Oi Ana!

    Ótimo artigo, gostei muito, não sabia que estão reconstruindo o Maracanã!

    Se os operários acabarem a tempo a reforma para a Copa de Confederações, poderão fazer uma ótima festa de inauguração! Poderiam fazê-la jogando uma partida contra a França, talvez ganhe o Brasil rsrsrsrs! Tomara que não se atrasem!

    Mas vai ficar un pouco pequeno, não acha? O Brasil tem tantos torcedores!

    Muito prazer e obrigado pelo artigo!

    Ronan

    ResponderExcluir
  30. Dedé, gostei muito do seu artigo sobre o Início do futebol no Brasil! e me lembrei dum livro "El fútbol a sol y sombra" do escritor uruguaio Eduardo Galeano que fala justamente das anedotas dos primeiros encontros entre times de futebol, entre eles em 1912 o primeiro encontro da história do futebol brasileiro entre times, o primeiro Flamengo-Fluminense: "Onde os cavalheiros celebravam cada gol lançando seus chapéus de palha ao campo e as moças deixavam cair seus leques e se desvaneciam pela emoção do gol e as agonias do calor e os corpetes..."

    Parabéns pelo artigo!
    Estefanía

    ResponderExcluir
  31. Pessoal! Que bom trabalho com a gazeta! Parabéns! Em especial, muito bom o artigo sobre o sexo tântrico! Agora bem, acho que falo em nome de todos os homens pedindo para outros artigos sexuais dicas mais precisas! Vou ficar confundido e vou terminar sem saber nem como é que se frita um ovo! Muito obrigado Valeria, que artigos tão bem escritos! Aproveito também para pedir mais artigos sobre a culinária brasileira, para que a Cecilia possa nos tirar o fôlego mais uma vez!
    Alberto.

    ResponderExcluir
  32. Ana e Chus , obrigada pelo seu artigo sobre o genial artista Di Cavalcanti.Eu tive o prazer de ver alguns dos seus trabalhos no Museu de Arte Moderna de São Paulo no ano passado.Adoro sua obra, ese jeito dele de matizar e "amolecer" o universo cubista com as formas e cores da sua alma tropical...maravilhoso!
    Beijos para todos, gazetistas e leitores
    Eva (Simpática)

    ResponderExcluir
  33. Valeria,

    eu achei seu artigo muito interessante e informativo. Se alguém tiver curiosidade em praticar um tipo de sexo diferente, com certeza escolherá o sexo tântrico!

    Beijos,

    Sofía

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Valeria
      Você é incrível, além de escrever muito bem , você teve muito coragem na escolha do artigo. Puxa!! as dicas que você deu são muito úteis!! "a preguiça e a pressa não se dão bem!"
      Meus Parabéns!!!
      Paloma Ramos

      Excluir
  34. bom trabalho. todos os arigos muito interesssantes. bjk

    ze

    ResponderExcluir
  35. Chus e Ana Maluca,
    Parabens pelo seu interessantíssimo artigo sobre Cavalcanti. Gostei muito da história da vida do pintor, mas o que mais apreciei foi a descrição de sua pintura. É verdade que seus desenhos representam a vida brasileira, as cores e sobretudo as mulheres e a vida notívaga. Tomara que seja possível uma exposição de sua pintura na Espanha, como aquela que há três anos fez a Fundação Juan March sobre sua contemporânea Tarsila do Amaral. Embora não seja provável que cheguem tantas pinturas, talvez possamos ver alguns de seus desenhos.

    ResponderExcluir
  36. Valeria,
    Eu lì seu artigo sobre os brasileiros e a Musica e o comentei na aula! Achei o texto muito interessante e muito bem organizado: se ve que voce sabe escrever muito bem e com estilo! Adorei especialmente a historia da infancia do Eduardo Marreta (a da cisterna e das latas) e da sua infancia musical! Muito boa a frase final: "Encuanto houver musica nao haverà solidao" (e encuanto eu tiver computador italiano nao haverà acentos portugueses) :D
    Parabens!!
    Davide

    ResponderExcluir
  37. Oi Mirian (Maluca)!

    Veja só o sucesso da Seção Gourmet, ontem me mandaram uma sugestão desde Lisboa para acrescentar à sua coluna:

    http://www.adegapontelima.com/?m=vinhos&vinho=3

    Bom apetite!

    ResponderExcluir
  38. Oi Andrea,
    Nossa! Eu terminei de ler o seu artigo sobre o início do futebol no Brasil e o achei muito legal. Da para se dar conta da manheira em que mudou este esporte até se converter num autêntico negócio. É uma pena...

    Não obstante, no começo do século XIX era quase um esporte de lazer, sem nenhum tipo de remuneração, como você explica. Além disso, os jogadores deviam vestir gravata, rsrsrs. Você imagina como ficaria o Pepe do Real Madri com gravata enquanto ele pisar a mão do Messi...
    Parabéns!
    Gabriel

    ResponderExcluir
  39. Gostei muito da Gazeta, ela me acompanhou na minha viagem de avião das férias de Natal e as duas horas de vôo foram muito entretidas!
    Achei o artigo “Eros uma vez” super legal, porque Valeria conseguiu tratar um tema embaraçoso com ironia e delicadeza. Ao lê-lo, eu me lembrei da primeira vez em que escutei falar do sexo tântrico; foi quando o cantor Sting, faz vinte anos aproximadamente, mencionou isso numa entrevista e todo o mundo começou falar dele e das suas prestações sexuais. Eu era criança e escutei a notícia na televisão; dado que não entendi o que era aquilo, perguntei à minha mãe e me lembro da pobre mulher tentando explicar (ou evitar responder!) o assunto para uma menina inocente.
    Outro artigo que capturou a minha atençao e curiosidade foi “O início do futebol no Brasil”. Gostei do fato que no começo o futebol era uma festa, uma atividade para passar o tempo livre e divertir-se. É uma característica que desapareceu faz muitos anos, já que agora o futebol é um negócio cujas principais regras são as que regem as atividades econômicas dos presidentes dos times. Porém, não gostei do futebol ser uma atividade de elite, porque acho que qualquer esporte teria que ser acessível para todo o mundo e além disso deveria ser um instrumento para aproximar e misturar todo tipo de pessoas: brancos y negros, graduados e analfabetos, ricos e pobres. Então cheguei à conclusão que lamentavelmente o futebol esteve e segui estando cheio de contradições. Por exemplo, na situação atual embora as empresas donas dos times tenham sociedades beneficentes que querem aproximar os meninos desfavorecidos ao jogo do futebol, fica claro que são atividades que sempre escondem um interesse econômico. Tudo isso é uma pena, porque se o futebol promovesse de verdade os valores do esporte e funcionasse como exemplo, poderia contribuir à educação das crianças e da sociedade em geral.
    Bom, fico esperando a nova Gazeta!
    Melania

    ResponderExcluir
  40. Oi, Valeria!
    Gostei muito do seu artigo!Você descreve muito bem a relação dos brasileiros com a música. Além disso, nas entrevistas os músicos falam das suas lembranças da infância e das suas experiências atuais em Madri. A frase de que mais gostei do artigo foi a frase do Wellington: "uma vida sem música é como uma rosa sem espinho".
    Na minha opinião a relação dos brasileiros com a música e tão grande que você poderia escrever um artigo tão maravilhoso como este em cada Gazeta da casa.
    Parabéns!
    Carmen.

    ResponderExcluir
  41. Marcos, eu gostei muito de seu artigo porque acho que fala sobre um tema muito interessante, mas pouco conhecido. Se o projeto fosse mais popular, eu acho que as pessoas participariam mais dele e ele teria maior importância. Tomara que consigam os apoios e patrocínios necessários para que possam fazer os planos de futuro previstos e que o projeto ajude a todas as mães que o precisarem.

    RAQUEL

    ResponderExcluir
  42. Parabéns pela Gazeta!

    Eva, eu li o seu artigo sobre a saúde e achei muito interessantes as suas explicações sobre as consequências desta corrente antienvelhecimento, assim como a menção para os leitores não esquecerem da situação nos países menos desenvolvidos.

    Obrigada!

    ResponderExcluir
  43. Parabėns para todos e especialmente para nossas diretoras de redaçāo e ediçāo.Sem elas teria sido impossîvel este grande sucesso da Gazeta.
    Trabalharemos para que o IBOPE a inclua nas suas pesquisas de audiência.
    Abraçāo
    Toninho -Teteias

    ResponderExcluir
  44. Oi gente! E aí, beleza?

    Eu adoro a sua gazeta, sobre tudo as receitas brasileiras. Cada vez que vocês sugerem uma nova, eu tento fazê-la, mas sou uma péssima cozinheira!

    Além disso, hoje eu queria falar sobre o artigo do início do futebol no Brasil. Eu gosto muito do futebol, meus times favoritos sāo o Barça e o Sāo Paulo. Eu gostei particularmente do artigo sobre o futebol porque nunca tinha pensado nisso. Quem diria que os inglêses "ensinaron" a jogar bola aos brasileiros. Atualmente, tudo tem mudado muito. O futebol dos inglêses é sobretudo físico, eles correm muito durante o jogo inteiro. Pelo contrário, o futebol dos brasileiros é tudo técnica, você percebe a ginga que eles têm mesmo cuando jogam futebol, é como se eles dançassem, por isso é chamado jogo bonito, nāo é? Enfim, eu adorei.

    E para terminar eu gostaria de aportar uma pequena informaçāo. Faz um tempo eu encontrei um filme muito interessante sobre futebol chamado "Pelada". É um documentário sobre dois jogadores de futebol profissional que viajam pelo mundo inteiro jogando futebol na rua e mostrando as diferentes maneiras de jogar bola em cada país: desde Bolívia até Quênia, China ou Irā. É um filme americano, eu acho, de 2010, e é curioso que o título seja "pelada" em honra do Brasil (o pentacampiāo do mundo), já que no Brasil pelada significa literalmente nua, mas também é a maneira de denominar o futebol na rua.

    Bom, um abraço para todos e espero que continuem escrevendo na gazeta porque é uma alegria recebê-la.

    Úrsula (aluna da Milla)

    ResponderExcluir
  45. Raffaella Bortolotto8 de fevereiro de 2012 08:25

    TEATRO DA PAZ
    Paloma Ramos

    Beleza, Paloma! Você deu-se conta da conexão que há entre o seu artigo e o do Ivan? Pois é! Olha: Carlos Gomes tá lá no teatro apresentando a sua ópera "O Guarani", enquanto Giuseppe Verdi passeia entre as colunas e um representante eclesiástico faz seu ato de presença na cena. Que bom!

    Acho interessante a analogia entre o edificio e o Teatro alla Scala de Milão. Aliás, apesar da polêmica na observação das normas neoclássicas e da cor, a fachada lembra muito a do "templo da lírica".

    Obrigada pela informação, lindinha. Parabéns pelo escrito.

    ResponderExcluir
  46. Ler esta décimo terceira Gazeta foi como ter tomado um agradavel duche tropical de conhecimentos musicais do mundo lusoparlante. Eu aprecio (quase) todo tipo de música mas reconheço que de forma muito passiva, sem investigar (quase) nunca sobre as origens, os autores, os estilos. Por essa razão temos que aplaudir todos os jornalistas musicais desta edição que conseguiram não só que eu descobresse fatos novos mas também que todos nós ficassemos com vontade de saber mais.

    Embora eu goste de todas as seções, sobretudo « Saúde » e « Eros uma vez » que sempre nos trazem dicas muito utéis para a vida diária, acho que algumas partes do jornal poderiam ser ampliadas, talvez aumentando o número de páginas da Gazeta ou editando mais números por ano. Neste caso concreto eu teria gostado saber mais sobre a arte de Di Cavalcanti ou sobre as peculiaridades de esportes menos populares.

    E, adorando cozinhar, isso também poderia se aplicar à seção Gourmet que muitas vezes fica reduzida a uma simples receita quando na verdade a culinária é uma arte com seus segredos e sua história. No caso do arroz de tamboril, ao ter que apresentá-lo, consegui fazer a minha própria versão : com um quilo de peixe-sapo, 800gr de camarrões (pois durante a cozedura eles minguam), salsa fresca, várias folhas de louro e, tratándo-se de uma receita de Portugal e para completar as cores da bandeira, também acrescentei um pimentão amarelo. O arroz ficou ótimo mas eu ainda tinha curiosidade para saber mais sobre esse coitado mas delicioso peixe-sapo… Na web li num artigo que antigamente era um prato preparado para os marinheiros e que a etimologia da palavra « tamboril » tinha relação com um tambor... Infelizmente não guardei essas informações e não sei se são corretas… Tomara que a seção tivesse mais sitio para que se possa acrescentar também esse tipo de datos. Além disso tenho certeza que a comida teria um sabor mais intenso se soubessemos de onde ela vem e por quê foi elaborada dum certo jeito, não acham ?

    Cecilia (alumna da Milla - Avançado I)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ceci, obrigado pelo seu comentário e pelos seus elogios. Contudo, aumentar as páginas da Gazeta? Editar mais números por ano? Isso seria a morte da Glaucia e da Mariana. Eu acho melhor que a Gazeta fique incompleta e elas continuem vivas: senão, quem é que nos vai dar aula de português?

      Ivan (simpático)

      Excluir
  47. Vou falar do artigo de José Manuel Almendros sob a escravidão do século XXI. É muito lamentável que haja tantas pessoas que se aproveitem da má situação de outras muitas. Infelizmente, acho que os dados de 25.000 pessoas nessa situação ficam muito por baixo da realidade. Não só isso, mas também acho que é uma realidade que está em expansão, apesar dos esforços do Governo Federal. Os ricos sempre terão o dinheiro e os contatos suficientes para ir embora, conforme se vê no dado que diz que as denúncias diminuíram.
    Aliás, se vê que os direitos dos trabalhadores estão diminuindo por todo o mundo. Não há mais que ver as reformas laborais que estão se introduzindo nos países do “primeiro mundo”, que só facilitam as demissões e estão terminando com muitos dos direitos conseguidos por nossos antepassados. Se seguirmos assim, temo que a situação de todos os trabalhadores vai dar muitos passos para trás, e não vamos ter nenhuma segurança.

    ResponderExcluir