segunda-feira, 18 de maio de 2015

Gazeta nº 21

A Gazeta da Casa 

Ano VIII - Maio de 2015 - O JORNAL DA OFICINA DE CONVERSAÇÃO - nº 21

Faça o seu comentário!

27 comentários:

  1. Achei muito interessante o artigo de Daniel Hernández Baldó. Há muito tempo vi o filme 'Cidade de Deus', e sem dúvida, é um dos melhores filmes de açao da história do cinema.
    O que desconhecia eram os problemas que aconteceram depois, com o tempo.
    Ótimo artigo e além do mais, chamativo!

    ResponderExcluir
  2. Concordo com o artigo “running” que a corrida é o esporte da moda; queima calorias, aumenta a taxa metabólica, ajuda no controle do peso, tonifica os músculos, deixa os ossos mais fortes e mais saudáveis...
    Mas o mais atraente é a simplicidade da atividade. A corrida pode ser praticada ao ar livre ou em ambientes fechados. Exige muito pouco equipamento além de um bom par de tênis de corrida, e pode ser praticada tanto no inverno quanto no verão.
    Outro dos benefícios da corrida é na parte psicológica; ela aumenta a auto-estima, diminui o estresse a ansiedade, diminuindo o risco de depressão além de causar uma sensação de bem-estar.
    E é baratíssimo.
    Hoje em dia correr é bacana!!
    Mas não devemos esquecer que com a corrida vem o risco de lesões aos pés e pernas, embora existam várias formas de prevenir ou minimizar esses problemas: bons tênis de corrida, que sejam do número adequado ajudam muito na prevenção de lesões no pé. É importante também alongar alonga as pernas após uma corrida, para evitar que os músculos aquecidos se contraiam à medida que o corpo resfria.
    Contudo, o maior risco dos que praticamos a corrida é ficar viciados nela!!



    ResponderExcluir
  3. Gostei muito do artigo "Origem do Samba" justamente porque nós estavamos falando na aula de português do Semba.
    À medida que o samba evoluiu, ele ganhou novos sotaques, novos modos de ser tocado e cantado. É isso que faz dele um dos ritmos mais ricos do mundo.
    Eu gosto muito do Samba de Roda parecido com a roda de capoeira, é a raiz do samba brasileiro e está registrado na Unesco como patrimônio da humanidade!

    ResponderExcluir
  4. Eu concordo totalmente com o artigo “Geração Whatsapp”. Atualmente as crianças não dedicam muito tempo a bricar na rua com seus colegas. Eu tive meu primeiro celular quando era adolescente e também nessa época o Messenger començou a ser muito popular. Eu gostava muito de jugar basquete e vôlei com minhas amigas e não passava muitas horas na internet, mas eu posso reconhecer que também gostava muito de falar com minhas amigas pelo celular e nós mantíhamos conversas pouco interessantes mas muito longas.

    Eu concordo com a desumanização das conversas e também sou firme defensora do tradicional e dos chopes com amigos, mas ao mesmo tempo, eu posso dizer que eu me identifico com a geração Whatsapp e, a nível global, com a geração digital.

    Para comentar as vantagens e desvantagens do uso de whatsapp, eu decidi fazer um infográfico usando as novas tecnologias, em lugar de fazer uma redação tradicional, aproveitando o tema abordado.

    O documento está disponível em:
    https://magic.piktochart.com/output/6441467-geracao-whatsapp_mar_moreno

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei o seu trabalho, Mar! Muito ilustrativo e didático :-) Se você me permitir, vou usá-lo nas aulas, porque, com certeza, dará um excelente bate-papo ;-)

      Excluir
    2. Eu também gostei muito do seu trabalho, Mar.

      Obrigada pelo comentário.

      Excluir
  5. Somoterapia - Eva Vegas
    Achei ótimo este artigo! Na atualidade, cada vez mais, estão surgindo novos métodos e novas formas de entender a medicina e a cura das pessoas de uma maneira mais holística. Assim, deste jeito, se procuram novas terapias nas quais se-deixa de por o foco no corpo físico e se dirige a atenção para outros níveis como são o mental e o emocional.
    Não conhecia a somoterapia e gostei muito de poder descubrí-la. A história de como ela surgiu e como foi aplicada nos perseguidos políticos, presos e até nas vítimas de tortura é interessante demais!

    ResponderExcluir
  6. Sobre O Artigo GERAÇÃO WHATSAPP
    Com certeza os tempos mudaram e viramos escravos das tecnologias... Vejo as crianças com os celulares e com os computadores e fico triste... Eu cresci numa família com oito irmãs e quatro irmãos, lembro minha infância quando não tínhamos nem jogos e a criatividade era uma questão de sobrevivência, não precisávamos de nada, só ficar juntos e deixar nossa imaginação voar... Agora se perdeu tudo isso que nos fazia mais pessoas, mais humanos... Tomara que algum dia as novas gerações possam recuperar o que com este jeito de vida do século XXI temos perdido...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também cresci numa família sem muita coisa material mas mesmo assim, curtiamos a beça. Tomara o futuro seja diferente e as novas gerações saibam apreciar aquilo que nós tínhamos.

      Excluir
  7. Terezinha - Andrea Profeti

    Como bem diz no artigo, eu também não sabia que Terezinha é a atleta paraolímpica mais rápida do mundo. Gostei da matéria e acho muito importante que atletas como Usain Bolt participem nos jogos paraolímpicos já que dão ao evento uma maior difusão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito util que os atelatas famosos apoiem este tipo de eventos. A presencia deles chama jornais e televisões e o movimento ganha popularidade e respeito.

      Andrea Profeti

      Excluir
    2. Terezinha Guilhermina é um exemplo de superação e luta, no esporte e na vida. Obrigada Andrea, por nos descobrir esta figura, este exemplo do amor à vida.
      Todos conhecemos os jogadores de futebol ou os tenistas, mas as histórias dos atletas paralímpicos são normalmente as mais extraordinarias, porém, desgraçadamente são também as menos conhecidas e as pior pagas.
      A nossa sociedade valoriza mais o dinheiro e o lucro que o esforço e a luta de superação. É por isso que estas histórias não chegan até os jornais tão facilmente como os gols de Ronaldo. Acho importante mudar na mente das pessoas os valores e tirar do número um da lista os jogadores de futebol com os seus salarios milionarios e pôr em primeiro plano os atletas paralímipicos para os quais cada dia é um desafio. Eles sim merecem o nosso apoio e o nosso coração. Eles que muitas vezes não têm grandes salários nem facilidades, eles que têm uma história de superação para nos mostrar.
      Obrigada Andrea por esta história que nos mostra o amor à vida e a luta de superação.

      Excluir
    3. Acho este artigo muito legal e instrutivo. A Terezinha é um ejemplo de esforço e empenho. Acho também ótimo que atletas reconhecidos no mundo inteiro apoiem os atletas paraolímpicos. Assim, o público talvez se interesse mais pelos esportes paraolímpicos e sirva para dar maior difusão deles. O encontro entre Usain e Terezinha, porém, não deveria ser um ato isolado e raro. Infelizmente, a maioria dos atletas como Terezinha nunca treinará com atletas como Usain Bolt.

      Na minha opinião, entre os atletas paraolímpicos e os olímpicos deveria existir um contato maior, que beneficiaria ambos grupos. Se os atletas paraolímpicos recebessem maior apoio de esportistas famosos como Usain Bolt, eles seriam mais conhecidos e seu esforço mais recompensado. No entanto, acho que pelo menos na Espanha, só alguns esportistas gozam da popularidade de Usain Bolt. Muitos esportistas espanhóis que não são paraolímpicos não vêem reconhecido o seu esforço e ficam sempre na sombra, do mesmo jeito que os atletas paraolímpicos. Quando os meios de comunicação e os atletas célebres mostrarem a realidade dos demais esportistas, o público começará a valorar o trabalho de esportistas como Terezinha. Mas talvez isso não interesse... Todos os cidadãos deveriam quebrar um galho dos atletas menos reconhecidos.

      Excluir
  8. Ainda que mas colegas tenham falado do artigo de whatsapp, eu gostaria de dar também a minha opinião. Eu acho que todos somos da geração do whatsapp, não é? Eu tive meu primeiro celular aos 16 ou 17 anos e foi uma mudança muito grande nas comunicações. A revolução do whatsapp chegou a todas as idades. No outro dia ia para casa de ônibus e um senhor, que teria mais de 70 anos, ia falando com o whatsapp, tinha um grupo! Muitas vezes os meus amigos estão todos falando pelo whatsapp quando nós estamos juntos. Quem ainda não foi afetado por isso? A diferença é que a geração que nasceu com o whatsapp acha normal e nós conhecemos outra coisa. A minha dica: falem entre vocês, olham-se na cara, curtam da companhia das pessoas que estão com você. Mais bater papo e menos whatsapp. Tentemos ficar com o melhor das novas tecnologias e evitemos a perda de contato com os outros.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Almudena,

    Eu adorei a sua coluna porque, da mesma forma que você, eu sei o que era viver sem celular. Aliás, a vida também era tanto civilizada quanto organizada. Eu lembro que combinar com um grupo grande de amigos para um plano improvisado era possível, claro! Apenas tínhamos que avisar “de boca em boca”.

    No entanto, acho que a gente sempre se queixa da constante dependência da internet, mas logo a maior parte de nós passa o tempo todo com o celular na mão. Parece que uma coisa é a teoria e, outra, a prática.

    Na minha opinião, essa suposta necessidade é totalmente falsa. Por exemplo, as pessoas concordarão que assim que estiverem de férias, quando mais se desligam do estresse e da rotina diária é esquecendo o celular.

    Concluindo, eu apoio a proposta de aumentar o contato direto, o tratamento pessoal e as conversas cara a cara. A vida atrás de uma telinha não é tão interessante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelo comentário, Beatriz. Então... mais chopes e menos chats!!!! :P

      Excluir
  10. Eu li o artigo de Terezinha; é muito inspirador.
    Os atletas paraolímpicos são os grandes olvidados dos grandes eventos esportivos; seu esforço é maior, sobretudo tendo em conta a falta de apoio, de patrocínios e recursos para desenvolver suas modalidades. Qualquer pessoa atualmente tem os meios para praticar um esporte, mas para um atleta paraolímpico é todo um reto pela falta de meios.

    O gesto de Usain Bolt para com Terezinha, é um reconhecimento do esforço e a dedicação de Terezinha em particular e todos os atletas paraolímpicos em geral e uma mensagem de que todos podemos alcançar nossos sonhos.

    ResponderExcluir
  11. Eu gostaria de falar do artigo sobre a geração Whatsapp da Almudena.

    Nossa vida está mudando muito nos últimos anos pelos avanços da tecnologia, com total certeza! Se a minha avó estivesse viva hoje, não acreditaria no que está acontecendo!! Não poderia imaginar que podemos falar com alguém que fica em outra parte do mundo, ao vivo, mesmo com imagen de vídeo, só com um pequeno telefone!

    Eu também não teria acreditado quando era mais jovem...mesmo quando eu tive meu primeiro celular, que foi quando começei o ensino superior (aos 18 anos!!!!!), nunca pensei que a tecnologia tornaria as comunicações tão fáceis, rápidas e cômodas!

    Por outro lado, nesta vida tudo tem vantagens e inconvenientes. A tecnologia deve ser usada inteligentemente. Na medida em que os progressos nas comunicacões não tornarem as pessoas escravas, a tecnologia será positiva.

    A partir do momento que você sentir dependência da tecnologia, deve esquecê-la! Mas aproveite-a se é você quem a controla!

    (Gabriela)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário, Gabriela! Concordo com você em tudo!

      Excluir
  12. Concordo com o artigo intitulado "Geração Whatsapp" o má uso da tecnologia (acho que fazemos uma utilização pouco adequada dela) nos troca numa geração mais isolada, mais apática, menos humanizada...

    Lembro, com muita saudade, quando de crianças depois duma briga com nosso melhor amigo/a e então já era nosso pior inimigo, nossas mães nos obrigavam para nos desculpar, para pedir perdão, e logo ficávamos como os melhores amigos, esquecendo nossa briga anterior.

    Nunca esquecerei, que no meu caso, quase foi como diz o artigo “ao fim dos relacionamentos comunicado do mesmo modo...” não houve uma conversa “cara a cara” apenas umas conversas pelo e-mail, outras pelo whatsapp... não houve umas conversas nas quais cada qual pudesse expressar seus sentimentos, seus temores, suas dúvidas, seus atos... não, não a houve e já mais nunca a haverá... E isto é muito mágoa, se despedir da pessoa tão amada desta maneira e insuportável.

    Isidro Garcelán

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelas suas palavras, Isidro. Nada tem o valor que o sentimento comunicado pessoalmente olhando nos olhos do nosso interlocutor. Ninguém gosta de despedidas mas tudos merecemos, inclusive quem resolveu ir embora, a possibilidade de expressar os nossos sentimentos.

      Excluir
  13. Parabéns pelo seu artigo Eva! Achei muito interessante. Nós já descobrimos a nossa própia terapia na CaBra(Casa do Brasil)terapia, ne?

    ResponderExcluir
  14. Emma Peris Fenollera14 de junho de 2015 07:43

    O gênio criador de Machado de Assis- Raffaella Bortolotto.

    Oi Raffaela, gostei muito do seu artigo sobre o Machado de Assis. Faz tempo que eu estou com vontade de ler algum conto, ou romance dele, mas a verdade é que mesmo que eu tivesse podido simplesmente escolher qualquer um dos seus contos ou romances, não sabia qual escolher. Você com seu artigo me ajudou a deixar de ficar na dúvida. O seu percorrido pela vida de Machado de Assis e a sua obra é uma boa guia para eu me orientar. Além disso, achei muito interessante a vida do escritor. O fato de ele ter fundado a Academia Brasileira das Letras sem ter estudado na universidade é fascinante. Ele foi um gênio mesmo, e influenciou muitos escritores posteriores.
    Concordo com você, ele não tem sido valorizado fora do Brasil como ele merece. Você diz que a razão dessa falta de reconhecimento internacional é o fato de ele ter escrito em português, mas não concordo com isso totalmente. Existindo as traduções, esse não pode ser o único motivo. Provávelmente é mais uma questão de publicidade. Veja outros autores em outros países: Shakespeare é constantemente citado e representado em teatros e filmes. Cervantes faz parte da identidade da Espanha, ele e o seu principal personagem, Don Quijote, são mencionados ou escolhidos na hora de apresentar os símbolos do país. Mas Machado de Assís só aparece ao pesquisar sobre literatura brasileira. Tal vez o Brasil tenha que incluir mais o Machado de Assis ao se apresentar pelo mundo afora.
    Parabens pelo seu artigo!

    ResponderExcluir
  15. É una realidades que o running vem ganando adeptos à beça.
    Embora os benefícios e sensações sejam enormes, às vezes esse prazer chega a ser viciante por causa da liberação da endorfina a qual acontece aos 30 minutos de atividade.
    Contudo, é um esporte fácil de praticar porque não é necessário marcar hora, só é preciso ter un bon tennis que tenham amortecimento e escolher o lugar ideal onde fazer exercício.
    Uma das razões pela qual o esporte se torna cada vez mais popular na cidade é que algumas pessoas o usam para combater o estresse. Além disso, se você não gostasse de fazer exercício sozinho, poderia estar num grupo de corrida que incentiva às pessoas a praticar.
    É preciso que os músculos sejam alongados antes e depois da corrida e o corpo esteja preparado para o treinamento con uma dieta de carboidratos para evitar desconforto durante o esporte.
    A roupa ideal a por são uns shorts que tenham abertura lateral para facilitar o movimento das pernas, e uma camiseta.
    Eu estou tentando praticar o running mais às vezes há demasiadas pessoas no parque, e correr é difícil mas mesmo assim gosto de mais!

    ResponderExcluir
  16. Concordo totalmente com o ponto do vista da autora deste artigo sobre a tecnologia, os celulares, os aplicativos e o que eles trouxeram consigo: mudança na comunicação e desumanização das relações de amizade .
    Como a autora, eu também nasci e cresci numa época onde a tecnologia não era tão importante como è hoje em dia. Os celulares não existiam, a gente brincava na rúa, assistia a filmes na casa da vizinha (porque os meus pais não podiam comprar um reprodutor de filmes), iá para a escola de metrô ou de ônibus conversando con os meus colegas de sala e quando combinávamos para sair, ninguém escrevia un wasap para dizer : Oi, gente! Acho que vou chegar tarde! Uma coisa assim, era impensável.

    Logo que a tecnología chegau até as nossas vidas e a gente começar a usá-la, a comunicação mudou. Todos os día recebo centenas de wasaps e poucas ligações. È muito triste. Apesar de pedir para o meu namorado ligar para mim , em lugar de me enviar wasaps, ele continua a fazê-lo, mas eu me nego, não respondo os seus wasaps e ao final ele liga para mim.

    Ao pensar que a tecnologia nós dominar, fico triste e lembro dos filósofos da escola de Frankfurt que no seculo XX começaram a falar sobre a dominacão que aconteceria com a Tecnologia no futuro. Como eles acharam a tecnologia acabou por dominar as pessoas"

    ResponderExcluir
  17. Oi Arturo!
    Adorei seu artigo Histórias do futebol, no qual você recomenda um livro que analisa os "brilhantes" depoimentos dos astros do futebol. O estudo dá para rir à beça. Para dizer a verdade, eu não sou torcedora deste esporte e, no fundo, sinto pena porque, como qualquer outra paixão, é uma oportunidade mais para curtir. Porém, muitas vezes, fico rindo às gargalhadas com as bobagens ditas pelos gênios da bola e, o que ainda me deixa mais chocada, sua repercussão na mídia. Será que o modo de hipnose social que temos hoje está baseado no panis et circenses do futebol?
    Parabéns! Um brinde pela sua visão irônica!
    Célia Canhadas

    ResponderExcluir
  18. Maddalena Caravello26 de maio de 2016 01:59

    Geração Whatsapp

    Concordo plenamente com o conteúdo do artigo da Almudena que fala sob a geração Whatsapp. Durante a minha adolescência utilizava muito as tecnologias, me comunicava com os meus amigos utilizando messenger, especialmente com áquilos que moravam longe, e enviava sms e ligava quase todos os dias aos meus amigos quando não tínhamos escola.
    Nos fomos adaptando progressivamente a aparição das novas tecnologias, ao feito de poder ficar sempre conectado, sempre disponível.
    Eu tenho lembranças do tempo no qual me podia conectar só até as dez da noite, quando não tinha computador e tinha de partilhar com a minha irmã e nos brigávamos para escolher quem podia ficar falando.
    Agora, vejo a minha irmã mais nova que com 10 anos pode utilizar o computador a vontade, que fala do grupo de whatsapp que as suas companheiras de turma têm e que pede como presente um celular para o Natal, e fico pensando, ela já não precisa de ligar as casa das suas amigas para pedir as tarefas o enviar cartas como eu fazia a sua idade. Ela não va brigar com os meus pais por passar tempo demais falando ao telefone, porque com o telemovél eles não puderam controlar o tempo que ela passa se comunicando.
    Eu formo parte da gerações whatsapp, eu cresci utilizando o computador e o telefone e ainda assim agora impactada quando penso nas mudanças nas novas gerações e como, cada dia mais, vamos ficando mais longe do contato em pessoa com os nossos amigos para ficar presos na comodidade de nos comunicar com o whatsapp, o facebook ou o Twitter.

    Maddalena Caravello

    ResponderExcluir